sábado, 16 de agosto de 2008

A Festa da Virgem de Urkupiña

Numa explicação rápida:
A Virgem de Urkupiña (também chamada de Urqupiña ou Urcupiña) é uma aparição da Virgem Maria, padroeira de Quillacollo, uma província de Cochabamba, e foi nomeada Patrona de la Integración Nacional pelo governo da Bolívia. Reza a lenda que a Virgem Maria apareceu para uma pastora que estava cuidando seu rebanho nas montanhas. Quando informou à população sobre seu encontro a menina disse que a Virgem havia aparecido na orqopiña, em quéchua "nas montanhas", daí o nome Urkupiña.
Fui nessa quinta para Quillacollo, quase uma hora de viagem por uma estrada que parece muito com o caminho entre Campinas e Americana, aquela transição entre cidade grande e uma menor cheia de industrias pelo caminho (ok, aqui não tem tantas, mas lembra muito).
Segundo Natanael, uma amigo cochalo, os bolivianos são um dos povos mais festivos do mundo: se não estão brigando estão com certeza festejando. E as festividades dessa ultima semana provaram isso: enquanto em Santa Cruz ocorreram violentos confrontos entre população e policia, aqui em Cochabamba tivemos 4 dias de festa.
As festividades em honra a Virgem se concentram nessa semana do dia 14 de agosto. Começa com a entrada autoctona, onde os indígenas e descendentes desfilam em homenagem à Urkupiña, numa demonstração incrível de como o povo daqui é tao sincrético como os baianos.
No dia seguinte vem a esperada "Fastuosa Entrada Folklórica" do dia 14.
Foram cerca de quinze mil bailarinos e músicos, muito parecido com o Carnaval de Oruro, mas em menores proporções (pelo que vi e ouvi). São diversos grupos: caporales, morenos, orureños, etc, cada qual com suas alegorias tipicas, musica de acordo com suas danças e uma alegria contagiante. Diz-se que mais de 500 mil pessoas frequentam a festa todo ano, a ponto da maior cervejaria de Cochabamba (a gostosa Taquiña produzir uma edição especial da lata para a festa).

Ontem, dia 15 de agosto tiveram missas por todo o dia e alguns grupos repetiram o desfile. Hoje talvez seja o ápice da festividade com a romaria às montanhas onde supostamente a Virgem apareceu. Saem durante a madrugada e ao chegar no local há uma missa geral.
Enfim, uma festa muito bonita, colorida e contagiante, bem parecida com nosso carnaval, por toda a semelhança dos desfiles e pela quantidade de álcool consumido. E realmente é uma festa de integração, pois peregrinos e turistas de todo o pais vem pra cá, assim como muitos gringos. Infelizmente, pela quantidade absurda de gente, não pude aproveitar mais, mas espero poder voltar um dia para ver por completo.

2 comentários:

virginia disse...

Oi filhote, adoro o jeito q vc escreve sabia? Acho q vc seria um excelente jornalista, rsrs...
Vc sabe da insegurança q bateu em sua velha mamy qdo faltava uma semana p/ ir embora, e da saudade q tenho de vc, mas depois de ler seu blog, me sinto mais tranquila,e por saber q esta em uma casa com uma família q te acolheu bem...
Seja feliz este tempo e faça valer a pena!!!
Te amo de mais, sabe aquele jeito que doi?
Bjs e que Deus te guarde!!!

Sapão disse...

Olá rapaz! Só passando p/ registrar a minha passagem e que realmente estou acompanhando as tuas atualizações neste blog. Afinal, eu sou muito curioso, sempre gosto de ver coisas de tudo quanto é coisa. E creio que deve tá sendo bem legal essa experiência. É isso, abraço e que o amuleto que eu comprei p/ vc e p/ Thá traga proteção contra o trânsito caótico de Cochabamba... huahuahua
Atéééééééééééé maaaaaaaaaaaaaiiiis!
Tchaaaaaaaaaaaaau Tchaaaaaaaaaaaaau